A Polícia Federal abriu inquérito para investigar o ex-ministro pedetista Ciro Gomes. A situação que envolve o presidenciável de 2018 é a suspeita de que tenha cometido crime contra a honra do presidente Jair Bolsonaro. O caso é tipificado no artigo 145 do código penal. Segundo o inquérito, o fato teria ocorrido em uma entrevista dada por Ciro em novembro do ano passado à rádio Tupinambá de Sobral, no Ceará. Na ocasião, o ex-governador chamou Bolsonaro de boçal, ladrão e incapaz de administrar a economia do país. Ciro ainda lembrou do caso das “rachadinhas” e disse que o ex-juiz Sergio Moro foi omisso como ministro.

“Qual foi o serviço do Moro no combate à corrupção? Passar pano e acobertar a ladroeira do Bolsonaro. Por exemplo, o Coaf, que descobriu a p*** dos filhos e da mulher do Bolsonaro, que recebeu R$ 89 mil desse Queiroz, que foi preso, é ladrão pra valer, envolvido nas milícias do Rio de Janeiro. E onde estava o sr. Sergio Moro? Acobertando”, disse.

O ministro da justiça, André Mendonça, intermediou o pedido que chegou à Polícia Federal. O próprio presidente assinou documento enviado ao ministro. Isso porque a lei é clara em dizer que pedidos de apuração de crimes contra a honra do presidente cabem ao ministro da Justiça. A assessoria de imprensa de Ciro informou que o político considera grave uma tentativa de intimidação de um opositor e que se trata de um ato de desespero de Bolsonaro.

* Com informações da repórter Camila Yunes