Às vésperas da eleição que escolherá o sucessor de Rodrigo Maia (DEM-RJ) no comando da Câmara dos Deputados, o trabalho da Casa é tido como ruim ou péssimo para 56,4% dos brasileiros. É o que mostra uma pesquisa do Instituto Orbis, realizada entre os dias 25 e 26 de janeiro. A atuação dos deputados federais é tida como ruim por 27,5% e péssima por 28,9%. Os parlamentares elegerão o próximo presidente da Câmara no dia 1º de fevereiro – os dois principais candidatos são Baleia Rossi (MDB-SP), escolhido por Maia, e Arthur Lira (PP-AL), que possui o apoio do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com a pesquisa, apenas 12,3% avaliam a Câmara de forma positiva (ótimo: 3,4%; bom: 8,9%); o desempenho é regular para 31,3%.

Em relação ao Senado, o levantamento também aponta que avaliação semelhante. Para 12,8% o trabalho dos senadores é positivo (ótimo: 3%; bom: 9,8%). Outros 34% acham que a atuação dos senadores é regular, enquanto 53,2% avaliam de forma negativa (ruim: 26,1%; péssimo: 27,1%). No caso do Senado, a melhor avaliação ocorre entre pessoas menores de 18%. Nesta faixa de idade, o desempenho da Casa é considerado ótimo por 8,4% – a título de comparação, considerando pessoas que têm entre 36 e 65 anos, a taxa é de 2%.

A pesquisa também mostra que o Supremo Tribunal Federal (STF) tem a melhor avaliação positiva. Para 24,9% dos entrevistados, o trabalho da Suprema Corte é satisfatório (ótimo: 7,1%; bom: 17,8%). A atuação dos ministros do STF é regular para 27,4% e negativo para 47,7% (ruim: 16,5%; péssimo: 31,2%). A pesquisa ouviu 1.661 pessoas, nas cinco regiões do Brasil. A margem de erro é de 2,4% pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.