O presidente Jair Bolsonaro rebateu as críticas do líder francês Emmanuel Macron em relação à produção de soja no Brasil. Nesta semana,  Macron afirmou que continuar dependendo do grão brasileiro seria ser conivente com o desmatamento da Amazônia e falou em produzir o grão na Europa. Em tom de ironia durante a live semanal, Bolsonaro ofereceu mudas de árvores brasileiras para reflorestar a França. “Pelo amor de Deus, senhor Macron, não compre soja do Brasil, porque assim você não desmata a Amazônia. Compre soja da França. Não fique falando besteira, seu Macron, não conhece seu país, fica dando pitaco aqui do Brasil”, disse.

Na quarta-feira, 13, o vice-presidente Hamilton Mourão, que também é coordenador do Conselho Nacional da Amazônia, já havia rebatido as críticas feitas por Macron. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento também se pronunciou. Em nota oficial, a pasta afirmou que a fala do presidente francês demonstra desconhecimento sobre os métodos de produção brasileiros. O comunicado ressaltou que a legislação ambiental brasileira é uma das mais “rigorosas” do mundo e que o uso de “tecnologias reconhecidas ampliaram a sustentabilidade da produção agropecuária”. O Ministério citou ainda a condição do país de maior produtor e exportador de soja do mundo, responsável por abastecer mais de 50 países com grãos, farelo e óleo.

*Com informações da repórter Letícia Santini