O presidente Jair Bolsonaro anunciou, neste domingo, 2, que o governo russo autorizou o motorista Robson Nascimento de Oliveira a retornar ao Brasil após dois anos detidos. Segundo o chefe do Executivo federal, ele embarcará ainda nesta semana, chegando ao país na quinta-feira, 6. Oliveira foi preso em março de 2019, ao chegar à Rússia para trabalhar com o meio-campista Fernando, à época no Spartak Moscou, clube local, carregando uma mala com o medicamento Mytedon, legalizado no Brasil, mas proibido no país europeu. Ele alegou que o medicamento era para o sogro do atleta, mas a informação não foi confirmada às autoridades pelos familiares do jogador.

“Queria dar uma notícia que interessa a todos nós brasileiros. Depois de uma longa negociação com o governo russo, foi anunciado no dia de hoje a liberdade do Robson, que trabalhava com o jogador Fernando, no Spartak Moscou. Quero agradecer ao governo russo por tê-lo liberado. O que ele usava era permitido no Brasil, um medicamento, mas lá, na Rússia, não. O governo, então, seguiu a legislação local. Foram dois anos que o Robson passou detido na Rússia, e hoje em dia nós agradecemos ao presidente Putin, ao embaixador russo no Brasil, bem como ao nosso embaixador que está na Rússia. É um dia de alegria, de felicidade, e, se Deus quiser, na próxima quinta-feira, receberemos o Robson no Brasil. Além do corpo diplomático, também participaram dessa negociação o deputado federal Eduardo Bolsonaro, através da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, o senador Nelsinho Trad, da Comissão de Relações Exteriores do Senado, o nosso ministro [Carlos Alberto Franco] França, o Hélio, porque, por coincidência, o Robson é de Nova Iguaçu, terra do Hélio, e o jogador Felipe Melo, do Palmeiras”, disse Bolsonaro em um vídeo divulgado em seu perfil no Twitter.

Como a Jovem Pan mostrou, em outubro de 2020, uma comitiva brasileira foi à Rússia levar uma carta assinada por Bolsonaro na tentativa de negociar a liberação do motorista. O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e a embaixadora Márcia Donner Abriu entregaram o documento ao presidente Vladimir Putin, que tinha o poder de confirmar o perdão ao brasileiro. “O Robson está injustamente preso, sem ter sido julgado. Está em prisão preventiva. Como questões dessa natureza têm um desfecho diplomático e, sabedores da inocência desse moço, que está sendo acusado de tráfico internacional de drogas por transportar um remédio prescrito ao sogro do atleta, o mínimo que podemos fazer, como representantes populares, é mostrar a injustiça. Estando frente a frente com as autoridades russas é mais fácil de argumentar. Eu vou focar nisso. É uma questão humanitária e minha expectativa é muito boa”, disse Trad em entrevista à Jovem Pan.