Com a quinta alta consecutiva no preço do diesel, o governo federal estuda alternativas para conter a elevação para os caminhoneiros. A proposta, segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, é de blindar a categoria por meio de medidas estruturantes, sem interferência na política de preços da Petrobras. “A gente pode tentar pensar em algumas medidas que são estruturais, de mais médio prazo, e que proporcionem alguma blindagem contra possíveis flutuações, sem interferir na política de preços da Petrobras. Isso é premissa, não há nenhuma possibilidade da gente interferir”, disse. Algumas ações seriam, por exemplo, o aumento da segurança nas estradas; a criação de postos de parada e descanso; maior facilidade para contratação direta do serviço de transporte e a flexibilização de meios de pagamentos.

Tarcísio Gomes de Freitas indicou que o Brasil vive um momento de oportunidades para atração de investimentos e que o leque de ativos para concessões e privatizações é um chamariz para os investidores. “É interessante oferecer muitos ativos, porque o investidor sabe, se ganhar ativos combinados o potencial de sinergia é muito grande. Essa sinergia vai fazer com que as taxas de retorno sejam ainda maiores”, pontuou. Durante uma live da Necton, o ministro descartou a possibilidade de concorrer a um cargo eletivo em 2022. “Eu faço um trabalho técnico, gosto de fazer esse trabalho técnico e é importante que continue assim. O fato de ser técnico, de não estar em um partido, de não ter essa dependência ou interesse, nos dá autonomia, nos dá liberdade até para tomar decisões difíceis, porque muito do êxito do ministério da Infraestrutura está relacionada a com a nossa capacidade de dizer não”, disse. Ele acrescentou que o ministério tem que trabalhar com prioridades devido a escassez de recursos.

*Com informações do repórter Daniel Lian