Enquanto a CPI da Covid-19 não é instalada no Senado, o governo do presidente Jair Bolsonaro prepara sua estratégia de defesa contra 23 possíveis acusações relacionadas à atuação do Executivo federal no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Uma tabela elaborada pela Casa Civil foi encaminhada por e-mail a 13 ministérios, que deveriam levantar informações, elaborar respostas sobre os tópicos e encaminhá-las à pasta comandada pelo general Luiz Eduardo Ramos até a sexta-feira, 23. A instalação da comissão ocorrerá na manhã desta terça-feira, 27 – nesta primeira sessão, serão escolhidos o presidente, o vice-presidente e o relator do colegiado. Um acordo costurado pela maioria dos integrantes prevê que os postos sejam ocupados, respectivamente, pelos senadores Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL).

A planilha elaborada pela Casa Civil, inicialmente revelada pelo UOL, foi obtida pela Jovem Pan. No documento, o governo lista 23 afirmações, entre elas: “O governo foi negligente com processo de aquisição e desacreditou a eficácia da CoronaVac (que atualmente se encontra no PNI”; “o governo minimizou a gravidade da pandemia (negacionismo)”; “o governo não incentivou a adoção de medidas restritivas”; “o governo promoveu tratamento precoce sem evidências científicas comprovadas”; “o governo retardou e negligenciou o enfrentamento à crise no Amazonas”; “o governo não coordenou o enfrentamento à pandemia em âmbito nacional”; “o governo entregou a gestão do Ministério da Saúde, durante a crise, a gestores não especializados (militarização do MS)”; “o presidente Bolsonaro pressionou Mandetta e Teich para obrigá-los a defender o uso da hidroxicloroquina”; “o governo federal recusou 70 milhões de doses da vacina da Pfizer”; e “o governo federal fabricou e disseminou fake news sobre a pandemia por intermédio do seu gabinete do ódio”.

Considerando a composição da CPI da Covid-19, o governo Bolsonaro tem minoria. Dos 11 integrantes, apenas quatro são aliados: Ciro Nogueira (PP-PI), Jorginho Mello (PL-SC), Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Podemos-CE). Outros cinco parlamentares são considerados independentes, casos de Omar Aziz (PSD-AM), Otto Alencar (PSD-BA), Eduardo Braga (MDB-AM), Renan Calheiros (MDB-AL) e Tasso Jereissati (PSDB-CE). A oposição, por sua vez, conta com os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE). Autor do requerimento para criação da comissão, Rodrigues foi ao Twitter comentar a elaboração da planilha. “O governo sabe quais foram suas práticas criminosas na pandemia. A lista elaborada pela própria Casa Civil, aponta alguns dos crimes a serem investigados pela CPI da Pandemia. Um governo que planeja e trabalha em sua defesa mas se omitiu na defesa da vida do povo”, afirmou.

Leia abaixo a lista elaborada pela Subchefia de Articulação e Monitoramento da Casa Civil:

  1. O governo foi negligente com processo de aquisição e desacreditou a eficácia da CoronaVac (que atualmente se encontra no PNI);
  2. O governo minimizou a gravidade da pandemia (negacionismo);
  3. O governo não incentivou a adoção de medidas restritivas;
  4. O governo promoveu tratamento precoce sem evidências científicas comprovadas;
  5. O governo retardou e negligenciou o enfrentamento à crise no Amazonas;
  6. O governo não promoveu campanhas de prevenção à covid;
  7. O governo não coordenou o enfrentamento à pandemia em âmbito nacional;
  8. O governo entregou a gestão do Ministério da Saúde, durante a crise, a gestores não especializados (militarização do MS);
  9. O governo demorou a pagar o auxílio-emergencial;
  10. Ineficácia do Pronampe;
  11. O governo politizou a pandemia;
  12. O governo falhou na implementação da testagem (deixou vencer os testes);
  13. Falta de insumos diversos (kit intubação);
  14. Atraso no repasse de recursos para os Estados destinados à habilitação de leitos de UTI;
  15. Genocídio de indígenas;
  16. O governo atrasou na instalação do Comitê de Combate à Covid;
  17. O governo não foi transparente e nem elaborou um plano de comunicação de enfrentamento à covid;
  18. O governo não cumpriu as auditorias do TCU durante a pandemia;
  19. Brasil se tornou o epicentro da pandemia e “covidário” de novas cepas pela inação do governo;
  20. General Pazuello, general Braga Netto e diversos militares não apresentaram diretrizes estratégicas para o combate à covid;
  21. O presidente Bolsonaro pressionou Mandetta e Teich para obrigá-los a defender o uso da hidroxicloroquina;
  22. O governo federal recusou 70 milhões de doses da vacina da Pfizer;
  23. O governo federal fabricou e disseminou fake news sobre a pandemia por intermédio do seu gabinete do ódio.