O presidente Jair Bolsonaro estuda substituir Eduardo Pazuello do comando do Ministério da Saúde nos próximos dias. A possibilidade ganhou contornos reais nas últimas horas e, segundo apurou a Jovem Pan, foi tema de uma reunião do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), com o chefe do Executivo, neste sábado, 13. Pazuello está no comando da Saúde desde junho de 2020, quando assumiu a pasta interinamente após a saída de Nelson Teich.

O entorno de Lira avalia que Pazuello perdeu a credibilidade ao fazer, e não cumprir, sucessivas promessas em relação ao cronograma da vacinação – nos últimos dias, o ministro da Saúde reduziu em mais de uma ocasião a quantidade de doses que serão disponibilizadas à população nos próximos meses. A explosão no número de mortes causadas pela Covid-19 também pesa contra o ministro. Nesta última semana, o país superou a marca de 2 mil mortes em três dias. “A situação é insustentável”, disse à Jovem Pan, sob reserva, um deputado do PP, partido do presidente da Câmara. Lideranças da Câmara também defendem que o eventual sucessor de Pazuello seja um profissional da saúde.

Um nome cotado para assumir o Ministério da Saúde é o da cardiologista Ludhmila Abrahão Hajjar, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Ela cuidou de diversos políticos nos últimos meses, entre eles Arthur Lira e o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU). “Ludhmila Rajjar cuidou de mim desde o primeiro dia em que fui diagnosticado com Covid, em outubro. Demonstrou profundo conhecimento e compromisso com a ciência. Quando a pandemia começou e as pessoas fugiam da Europa, ela foi para lá estudar a doença. Torço por seu sucesso sempre”, escreveu Dantas em seu perfil no Twitter na tarde deste domingo, 14