A Executiva Nacional do Democratas (DEM) decidiu, neste domingo, 31, não apoiar nenhum candidato na disputa para a presidência da Câmara dos Deputados. A informação foi confirmada à Jovem Pan por integrantes do partido que participaram da reunião. Na prática, a legenda deixará de se aliar formalmente a Baleia Rossi (MDB-SP), candidato escolhido pelo atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para sucedê-lo, mas também não integrará o bloco de Arthur Lira (PP-AL), que conta com o apoio do governo do presidente Jair Bolsonaro. “A decisão é pela independência, não blocar com nenhum dos candidatos e os deputados livres para votar de acordo com convicção pessoal”, disse Efraim Filho (DEM-PB), líder do partido na Câmara

A decisão deste domingo representa, também, uma derrota para Rodrigo Maia. Nas últimas semanas, se acentuou uma divisão dentro de seu próprio partido. Como a Jovem Pan mostrou, aliados de Lira contabilizaram que cerca de 20 integrantes da bancada, formada por 29 deputados, já haviam manifestado voto no líder do Centrão. O partido, porém, integrava o bloco de Baleia Rossi. Segundo relatos feitos à reportagem, a proposta de se manter neutro na disputa partiu do presidente nacional do partido, ACM Neto.

Com a decisão, o bloco de Baleia Rossi, formado por 238 parlamentares, fica com 207, enquanto o de Lira soma 272 deputados federais. O tamanho do bloco define a ordem de prioridade na escolha de cargos da Mesa Diretora e das comissões. Para vencer a eleição no primeiro turno, o candidato precisa de 257 votos. Caso este número não seja alcançado, os dois parlamentares mais votados se enfrentarão em segundo turno.