A defesa de Fabrício Queiroz vai tentar reverter na Justiça uma suposta confissão feita pelo ex-assessor parlamentar de que realmente houve prática de rachadinha no gabinete do atual estadual Flávio Bolsonaro, na época em que ele tinha uma cadeira na Alerj. Essa confissão teria sido feita por Queiroz em petição protocolada em 2019, quando ele ainda era defendido por outro advogado. Fabricio Queiroz teria confessado a prática da rachadinha no gabinete de Flávio, mas teria isentado o parlamentar dizendo que ele não sabia de nada. Neste ano, o ex-assessor passou a ser defendido por Paulo Emilio Catta Preta.

A nova defesa ainda afirmou que provas estão sendo produzidas para absolver Queiroz da denúncia da prática de rachadinha. Queiroz segue em prisão domiciliar com a esposa no apartamento do casal em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Os dois e Flávio Bolsonaro, entre outras pessoas, foram denunciados pelo Ministério Público à Justiça fluminense. Nesta quarta-feira (25), o ministro do STF, Gilmar Mendes, liberou para julgamento o habeas corpus que garantiu essa prisão domiciliar a Queiroz após ele ser preso em Atibaia, em São Paulo, na casa do ex-advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef. O julgamento virtual desse HC está previsto para acontecer no início de dezembro.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga