A Câmara dos Deputados pode instalar a própria Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. A pressão por parte da oposição cresce após a decisão do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou a instalação do colegiado no Senado Federal para investir a atuação do governo federal durante a pandemia. No entanto, a criação da CPI não é bem vista por todos os parlamentares, que consideram o momento inoportuno. “Fiquei perplexa com a decisão do ministro Barroso de obrigar a instalação da CPI. O presidente do Senado vinha falando que não é o momento. Estamos em meio a uma crise sanitária, econômica e política. Não deveria ser colocada [a CPI], não vai contribuir para o país”, defendeu a deputada Bia Kicis, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 12.

A parlamentar, que é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, disse que ainda não foi procurada sobre a instalação do colegiado na Casa e negou que haja resistência do governo federal. Para Bia Kicis, se a proposta for mesmo investigar as atuações na pandemia, a CPI também deve abranger as esferas estaduais e municipais. “Se é para investigar a pandemia não basta investigar o presidente e governo federal, tem que investigar todo mundo. Vamos ver o que foi feito do direito enviado para Estado e municípios, uma vez que temos acompanhado gestores que receberam dinheiro e usaram para pagar contas, cumprir rombos. Pode não ser roubo, mas é desvio”, disse, defendendo a proposta do senador Eduardo Girão que, segundo a deputada, trabalha para ampliar o objeto da CPI no Senado Federal. “Que investigue também governadores e prefeitos. Esse será o desfecho dessa CPI.”

No geral, desde a determinação de Luís Roberto Barroso, ocorrida no dia 8 de abril, a abertura da CPI da Covid-19 tem gerado muitas reações no Congresso Nacional. Além do presidente Rodrigo Pacheco, que mesmo contrariado afirmou que irá cumprir a decisão, outros parlamentares também se manifestaram contrários à posição do ministro, alegando, até mesmo, interferência do Judiciário no Legislativo. Para Bia Kicis, considerando o contexto de pandemia e crise econômica, uma crise política não é oportuna e pode atrapalhar o andamento de outras propostas na Câmara. “Tudo isso é desviar o foco nesse momento dos problemas seríssimos que nós estamos vivendo. É para apurar? Ok, é para apurar. Vamos apurar. Se vai haver essa CPI no Senado, deixa que o Senado se envolva nessa questão, vamos tocar os projetos, temos projetos importantíssimos a respeito da pandemia, temos que nos debruçar nas questões do orçamento e temos também as reformas. Temos muitos projetos importantes para tocar”, pontuou, citando debate sobre a regulamentação do homeschooling, o andamento das reformas administrativa e tributária, discussão sobre decretos de armas e as mudanças na Lei de Segurança Nacional.