O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirma que o Brasil não excluiu a China da rede 5G privativa do governo federal. Os chineses, que lideram a tecnologia, não demonstraram interesse na disputa. “Nós não excluímos países, mas colocamos, por exemplo, que queremos que as empresas que entrem [na disputa] tenham o mesmo mercado de acionistas do governo brasileiro. Então, hoje, por exemplo, a Huawei não tem. Se ela, por acaso, acho que não é interesse dela porque não foi demonstrado isso até agora, teria que mudar o acordo, a composição acionária da empresa”, disse.

Fábio Faria participou de audiência pública na Câmara dos Deputados. O avanço da tecnologia 5G é marcado pela disputa entre os Estados Unidos e a China. O Brasil chegou, anteriormente, a apoiar o modelo norte-americano do então presidente Donald Trump. O ministro das Comunicações afirmou que haverá uma transição na qual o 5G funcionará por meio híbrido com redes novas para a quinta geração e as redes 4G e 3G. O edital do leilão do 5G da Anatel impõe às operadoras a criação de uma rede privativa da administração pública federal. A tecnologia trará maior velocidade e grande ampliação dos serviços disponíveis na internet móvel.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos