Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o maior desafio no novo Congresso Nacional será a aprovação das reformas estruturais. Na noite desta segunda-feira, 1º, foram definidos os cargos de presidente da Câmara dos Deputados e do Senado. Na Câmara, o candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Arthur Lira (PP-AL), obteve 302 votos e assumirá a cadeira deixada por Rodrigo Maia (DEM). No Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) foi eleito com 57 votos contra 21 de Simone Tebet (MDB-MS) e assumirá o lugar de Davi Alcolumbre (DEM-AP). Em nota, o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, afirma que o desenvolvimento do país depende dessas pautas, que são urgentes.

“Apenas com a implementação de reformas estruturais [tributária e administrativa] será possível reduzir o Custo Brasil, melhorar o ambiente de negócios do país, atrair investimentos e gerar mais empregos e renda para a população”, diz Robson Braga de Andrade. “É preciso também criar condições para a atração de investimentos em infraestrutura, por meio da modernização de marcos regulatórios, e que se busque incansavelmente o reequilíbrio das contas públicas”, acrescenta.

Robson Andrade também informou que a atuação do Congresso Nacional é fundamental para o Brasil encontrar soluções adequadas à crise sanitária e econômica vivenciada pelo país em função da pandemia da Covid-19. “Confiamos na capacidade de liderança do senador Rodrigo Pacheco e do deputado Arthur Lira, e que eles saberão levar o parlamento a aprovar, com a urgência que o caso requer, as medidas necessárias não apenas para a proteção à saúde da população e a retomada da economia, mas também para que o Brasil consiga inaugurar um ciclo de desenvolvimento sustentado”, concluiu.