O número de brasileiros desempregados chegou a 14 milhões na quarta semana de setembro, de acordo com PNAD Covid-19 divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira, 16. A taxa é a maior desde o início do levantamento, em maio. Na primeira semana de pesquisa, eram 9,8 milhões de brasileiros em busca de emprego. O desemprego passou de 10,5% na primeira semana de maio para 14,4% na penúltima de setembro. A taxa de desocupação se manteve estável em comparação com a semana anterior (13,7%). “Embora as informações sobre a desocupação tenham ficado estáveis na comparação semanal, elas sugerem que mais pessoas estejam pressionando o mercado em busca de trabalho, em meio à flexibilização das medidas de distanciamento social e à retomada das atividades econômicas”, diz a coordenadora do levantamento, Maria Lucia Vieira.

No total, mais de 4,1 milhões de pessoas ficaram desempregadas diante da pandemia do novo coronavírus no país. A Região Sudeste teve o maior contingente de desempregados da edição: são 6,3 milhões de pessoas em busca de uma ocupação no mercado de trabalho. Desde o início da pesquisa, no entanto, foi a Região Nordeste que observou a maior alta no número de desempregados, passando de 2,3 milhões na primeira semana de maio para 3,9 milhões na quarta semana de setembro. O levantamento foi realizado entre os dias 20 e 26 de setembro e esta é última edição da série semanal da PNAD.

Artigo anteriorSeguindo calendário de pagamentos, Caixa credita auxílio emergencial para 3,6 milhões de nascidos em julho
Próximo artigoPesquisadora da OMS indica que Brasil está bem posicionado para acesso a vacinas contra Covid-19