O secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, Carlos Alberto Chaves, disse à Jovem Pan, nesta quinta-feira, 4, que não vai liberar a lista das pessoas que estão sendo imunizadas contra a Covid-19. Esse foi um pedido feito pelo Ministério Público estadual, que já tentou também a liberação da lista junto à Prefeitura carioca. A Justiça, no entanto, negou o pedido feito pelo MP argumentando quebra de sigilo e, inclusive, custos adicionais ao município do Rio de Janeiro — que passa por dificuldades financeiras. Carlos Alberto Chaves acha, depois de consultar assessores jurídicos, que a liberação de nome, CPF e até endereço dos imunizados seria ilegal e inconstitucional.

Sobre o chamados “xepeiros”, que estão fora do calendário de vacinação e ainda assim fazem filas nas clínicas de saúde na espera de sobre de vacina contra Covid-19, Carlos Alberto Chaves disse também à Jovem que esse é um processo ilegal e que precisa ser combatido. “Não podemos nunca, de maneira nenhuma, todos temos o mesmo direito. Não adianta ‘xepa da vacina’, isso não pode continuar.” A ideia no Estado do Rio de Janeiro é usar todo o cardápio de vacinas que estiverem disponíveis para imunizar a população fluminense. O Estado e a Prefeitura seguem o Plano Nacional de Imunização. Ainda de acordo com o secretário, lá na frente, depois que andar a fila dos imunizados que fazem parte do grupo prioritário, é possível se imaginar que o governo federal autorize que clínicas e laboratórios possam importar doses de imunizantes contra a Covid-19.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga