A Justiça do Rio de Janeiro determinou que a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) deverá apresentar relatórios contendo todas as reclamações sobre gosto ou cheiro na água distribuída pela capital fluminense, além de outras queixas relacionadas a desabastecimento. Entre essas informações devem constar as providências que foram tomadas para resolver o problema, bem como o tempo de resolução. O objetivo é utilizar esses dados para fixar a extensão da multa que será executada contra a companhia. A Defensoria Pública do Rio e o Ministério Público do Estado também querem garantir desconto imediato de 25% nas contas dos clientes da Cedae afetados pela falta de água ou problemas de potabilidade.

No final de janeiro, moradores de 50 bairros do Rio de Janeiro relataram características incomuns que lembraram a chamada “crise da geosmina”, quando a água ficou com cheiro e gosto de terra. Após a divulgação das primeiras reclamações pela imprensa, no final de janeiro, a Cedae afirmou que adotou medidas para eliminar qualquer alteração de gosto e cheiro da água distribuída.