Mais de mil pessoas foram enterradas na última semana em Manaus. A capital do Amazonas está devastada pela pandemia da Covid-19 e o número das pessoas que estão morrendo em casa segue aumentando e, por conta disso, as famílias fazem fila para obter uma certidão de óbito e conseguir realizar os sepultamentos. Para ajudar a lidar com a situação, uma equipe de técnicos de necrologia e patologia está visitando nos últimos dias as casas em que as mortes por sintomas da Covid-19 foram registradas para agilizar o atestado de óbito. Na sexta-feira, 15, Manaus registrou um novo recorde de 213 sepultamentos, uma média de oito por hora, sendo que 102 deles são de vítimas da Covid-19.

A doença assola a cidade, que enfrenta o colapso do sistema de saúde, a superlotação dos hospitais e a falta de cilindros de oxigênio para os pacientes graves. A ausência de leitos obrigou os doentes a permanecerem em casa, onde a falta de tratamento especializado aumenta o risco de morte. Mais de 400 pessoas aguardam uma vaga em hospitais.  O número de mortes por suspeita de Covid-19 em residências aumentou 130%. Em um período de 10 horas, 23 famílias foram atendidas pela equipe. Os técnicos retiram amostras para depois confirmar a causa da morte. Ao final dos exames, entregam a certidão de óbito, mas os corpos permaneceram nas casas aguardando serem recolhidos pelas funerárias. Com 2,2 milhões de habitantes, Manaus tem até o momento 226 mil casos confirmados e 6 mil mortes por Covid-19.

*Com informações da Agência EFE.