O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu com a vice-presidente eleita da Colômbia, Francia Márquez, em São Paulo na última terça-feira, 26. A conversa entre eles teve foco assuntos como políticas afirmativas e mecanismos de integração da América do Sul. Os dois também discutiram a reabertura das negociações entre a União Europeia e o Mercosul. Lula defende incluir cláusulas no acordo sobre proteção ambiental, direitos humanos e tecnologia. O retorno de um tratado aos moldes da União de Nações Sul-americanas (Unasul) também foi mencionado. O bloco criado em 2008 no governo Lula tinha como objetivo fortalecer as relações comerciais, culturais, políticas e sociais entre as 12 nações da América do Sul. O encontro com Márquez foi o único compromisso público na agenda de Lula em São Paulo nessa terça.

O ex-chanceler do governo Lula, Celso Amorim, que participou do encontro, afirmou que a volta da Unasul não é apenas uma possibilidade, mas uma necessidade. Também participaram do encontro o presidente da Fundação Perseu Abramo, Aloizio Mercadante, e a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann. A reunião foi extraoficial, já que Francia Márquez só tomará posse no dia 7 de agosto, como vice do ex-guerrilheiro Gustavo Petro. Márquez tem sido porta-voz do governo eleito junto a autoridades internacionais. A vice-presidente eleita da Colômbia também se encontrou com três ex-ministras de governos do PT, Nilma Lino Gomes, ex-ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos; Tereza Campello, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; e Eleonora Menicucci, de Políticas para as Mulheres.

Márquez também tinha um encontro marcado com a ex-presidente Dilma Rousseff, mas, de acordo com a assessoria de imprensa da Fundação Perseu Abramo, o momento foi cancelado por problemas de saúde de Dilma. Ainda de acordo com a assessoria da Fundação, a colombiana quis conhecer políticas anti-racistas e afirmativas do Brasil como a Lei Maria da Penha, Cotas Raciais, Proteção a Mulher e Crianças. Márquez esteve ainda com representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra e do Movimento Negro antes de deixar a Fundação no início da noite desta terça. Durante sua passagem pelo Brasil, a vice-presidente eleita da Colômbia não tem encontros previstos com o presidente Jair Bolsonaro (PL) e nem outras autoridades do governo dele.

 

Artigo anteriorFMI revê estimativa de crescimento e eleva projeção do PIB brasileiro para 2022
Próximo artigoPT vai ao TSE contra Bolsonaro por suposta propaganda eleitoral irregular em convenção