Vários países do Oriente Médio foram atingidos por uma tempestade de areia nesta terça-feira, 17, que há dias está presente na região. O fenômeno deixou um caos nos países e provocou hospitalizações, fechamentos de escolas e perturbações do tráfego aéreo devido à dificuldade de visibilidade, entretanto, não foram anunciados atrasos nem cancelamentos de voos nos aeroportos sauditas. Uma neblina grossa fez com que os arranha-céus de Riad, capital da Arábia Saudita, ficassem encobertos. A rede de televisão estatal Al-Ekhbariya informou que 1.285 pessoas foram atendidas nos serviços de emergência de hospitais e centros de saúde de Riade por dificuldades respiratórias.

Condições similares foram vistas em outros países do Golfo, como Bahrein, Catar e Emirados Árabes Unidos. Na segunda-feira, 16, os iraquianos já tinham sido atingido pelo mesmo fenômeno que deixou o céu alaranjado e cerca de 4 mil pessoas foram hospitalizadas por problemas respiratórios. Desde meados de abril, o Iraque sofreu com oito tempestades de areia. O país é considerado um dos cinco mais vulneráveis do mundo aos efeitos da mudança climática e da desertificação. “As tempestades de areia fazem parte de nossa cultura, estamos acostumados, mas algumas delas são violentas”, constatou Abdullah Al-Otaibi, um trabalhador saudita, que se apressava para entrar em seu escritório esfregando os olhos.

O fenômeno não é raro no Oriente Médio pelo fato da região ser conhecida por seus desertos. Contudo, sua frequência aumentou nos últimos meses, alimentado por secas e baixas precipitações relacionadas com a mudança climática. O centro de meteorologia saudita previu “ventos superficiais poeirentos” no leste e em Riade, “que reduzem a visibilidade horizontal”, segundo a agência de imprensa oficial. A chegada de massas de ar seco e frio fora de temporada contribuem para a proliferação das tempestades de areia no leste da Síria e do Iraque “e, em seguida, o seu deslocamento para a península arábica”, disse à Hassan Abdallah, do centro meteorológico WASM, na Jordânia. O agravamento do fenômeno se explica por vários fatores, como o baixo nível das águas dos rios Tigre e Eufrates, a flutuação das precipitações anuais e a erosão dos solos, acrescentou. Em Meca e Medina, são esperadas mais tempestades.

Artigo anteriorCâmara aprova urgência para Marco das Garantias, projeto que facilita crédito
Próximo artigoTSE faz audiência pública para debater igualdade racial nas eleições

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui