O banco central britânico elevou a taxa de juros a 1% nesta quinta-feira (5) — nível mais alto desde 2009 —, para combater a inflação que agora está acima de 10%, mesmo enviando um alerta de que o Reino Unido corre o risco de cair em recessão.

Os nove membros do Banco da Inglaterra votaram em 6 a 3 para a alta de 0,25 ponto percentual. Catherine Mann, Jonathan Haskel e Michael Saunders pediram um aumento maior, para 1,25%, para eliminar o risco de que o aumento da inflação se instale na economia.

Economistas consultados pela Reuters previam uma votação por 8 a 1 para aumentar os juros para 1%, com apenas uma autoridade se opondo à alta.

Os bancos centrais em todo o mundo estão lutando para lidar com o aumento da inflação que já chegaram a descrevê-la como transitória quando começou com a reabertura da economia global, antes da invasão da Ucrânia pela Rússia provocar a disparada dos preços da energia.

O Banco da Inglaterra disse que também está preocupado com o impacto das políticas de lockdown contra a Covid-19 na China, que ameaçam atingir as cadeias de abastecimento novamente e aumentar a pressão inflacionária

Na quarta-feira (4), o Federal Reserve aumentou os juros em 0,5 ponto percentual, para uma faixa de 0,75%-1,0%, maior aumento desde 2000. O chair do Fed, Jerome Powell, disse que mais aumentos de 0,5 ponto são possíveis nas duas próximas reuniões.

O movimento do banco central britânico representa a quarta alta consecutiva desde dezembro — o aumento mais rápido nos custos de empréstimos em 25 anos – e ele endureceu sua mensagem sobre novos aumentos, apesar de suas preocupações sobre uma forte desaceleração econômica.

O banco disse que a maioria das autoridades acredita que “algum grau de aperto adicional na política monetária ainda pode ser apropriado nos próximos meses”.

A autoridade monetária ainda retirou a palavra “modesto” para descrever a escala de aumentos dos juros à frente.

Uma cisão surgiu no Comitê de Política Monetária, com dois membros dizendo que a orientação era muito forte, dados os riscos para o crescimento.

A inflação dos preços ao consumidor britânico atingiu um pico de 30 anos de 7% em março, mais do que o triplo da meta de 2%, e o banco central revisou para cima suas previsões de crescimento dos preços para mostrar um pico acima de 10% nos últimos três meses deste ano.

Artigo anteriorCidade de São Paulo registra madrugada mais fria do ano nesta quinta-feira, diz Inmet
Próximo artigoLei Henry Borel: Pai do menino comemora endurecimento de pena para crimes contra crianças

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui