O diretório nacional do PSB decidiu orientar a bancada a não apoiar a candidatura do deputado Arthur Lira, do PP de Alagoas, à presidência da Câmara dos Deputados. A decisão foi tomada por 80 votos a zero, mas não prevê punição em caso de descumprimento. Como a votação é secreta, não é possível saber quem seguiu ou não a recomendação. A diretriz vale para Lira, nome forte do Centrão e chancelado pelo presidente Jair Bolsonaro, e qualquer outro nome apoiado pelo Planalto.

Também nesta sexta-feira, 11, o PT decidiu não emitir opinião sobre a disputa e informou que vai buscar uma unidade com os partidos de oposição na eleição da Câmara e do Senado Federal. A expectativa agora é pela definição de quem Rodrigo Maia vai apoiar. O atual presidente da Câmara vem sendo pressionado por siglas de esquerda, que não descartam lançar um candidato próprio se não houver um nome de consenso. Maia disse nesta sexta que o governo interfere de forma antidemocrática na disputa enquanto deixa de lado os interesses da sociedade. “A reforma tributária está pronta, tem voto. Ela não vai ser votada porque a reforma tributária é do Rodrigo Maia. A gente está abrindo mão de fazer uma reforma que até a esquerda quer votar, porque vai dar a vitória do Rodrigo Maia”, diz. Sem consenso, qualquer definição da reforma tributária ficou para 2021.

*Com informações dos repórteres Camila Yunes e Vinícius Silva