Seis em cada dez ocorrências de segurança reportadas por motoristas e passageiros no aplicativo 99 são causadas pela falta de respeito entre as partes. É o que aponta um levantamento feito pela empresa de transporte em 2020. Entre as denúncias, 23% são de assédios, 14% de agressões verbais, 7% de agressões físicas e 4% sobre discriminações. Segundo a plataforma, tanto os passageiros quanto os motoristas são vítimas do problema.

É o caso de Carlos Pajé, que é motorista de aplicativo há seis anos e já esteve envolvido em mais de uma situação complicada: a última, foi em janeiro, quando foi verbalmente agredido. “Ela falou assim: ‘Mas quem mandou você fazer isso? você não é pago para isso. Não pode fazer essas mudanças sem falar para o cliente’ e ela aumentou o tom de voz. Esse tipo de acontecimento realmente acabam com o dia da gente. Até então não estamos na rua para brincadeira, estamos trabalhando. Eu largo minha família, minha esposa, meu filhos para a rua.”

No mesmo mês, o secretário parlamentar Eliseu Neto, então passageiro, foi expulso de um carro por um motorista de aplicativo depois de trocar carícias com o namorado. “A gente estava conversando dentro do carro, não estávamos nos beijando. Ele me pediu um carinho, estava meio bravo com ele. E o motorista parou o aplicativo e falou: ‘Eu não quero isso dentro do meu carro, vocês desçam daqui agora. E, depois disso, eu fui atacado virtualmente por vários motoristas que diziam que eu estava me agarrando demais, fazendo algo errado. Depois surgiu que eu estava batendo no meu namorado. Precisei fechar minhas redes sociais, sofri um linchamento virtual.”

Depois das ocorrências, os agressores foram banidos da empresa — que bloqueia cerca de 730 pessoas do serviço semanalmente. Para evitar esse tipo de conduta, a plataforma de transporte por aplicativo lançou, nesta quarta-feira, 9, um guia para reduzir os problemas de relacionamento entre motoristas e passageiros. O documento, que será divulgado para toda a base de usuários do app, tem seções sobre combate à discriminação de minorias e instruções de como proceder caso haja algum desentendimento. A diretora de Comunicação da 99, Pâmela Vaiano, explica que esse é o primeiro passo de uma série de ações que a plataforma pretende promover.

“A publicação do guia é só o primeiro passo. A gente entra então com uma grande mobilização de motoristas e passageiros, o guia é profundo e complexo. Ele tem muitos capítulos. Temos uma plataforma de mobilização e comunicação que vai acontecer ao longo de 2021. Vamos tratar o tema em datas especiais. Não esperamos que ninguém leia de uma vez só e que internalizem de uma vez só.” Vaiano afirma que, somente neste ano, R$ 35 milhões foram investidos em tecnologias de segurança no aplicativo. A 99 destaca, ainda, que oferece atendimento humanizado, com psicólogos e equipe jurídica, para motoristas e passageiros que tenham sofrido qualquer tipo de violência.

*Com informações da repórter Beatriz Manfredini