O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) fez neste sábado, 14, a distribuição de urnas eletrônicas do polo do Jardim Botânico, na zona sul da cidade, para os locais de votação. Para o vice-presidente e corregedor do TRE-RJ, desembargador Cláudio Luís Braga Dell’ Orto, que acompanhou o trabalho, as palavras de ordem para a eleição deste domingo, 15, são gratidão e esperança. A gratidão para agradecer a todos os colaboradores, mesários, funcionários do TRE, às pessoas que ajudaram a colocar os nomes dos candidatos e dos eleitores nas urnas eletrônicas, disse.

O magistrado acrescentou que é preciso também agradecer aos eleitores que amanhã vão comparecer com toda segurança e tranquilidade para votar. “Estão construindo a democracia brasileira, uma democracia jovem, que tem tudo para ser justa e igualitária e despida de qualquer forma de preconceito”, afirmou. O vice-presidente do TRE-RJ disse ainda que há o desejo de que a segurança seja o ponto forte dessa eleição, porque o país está no meio de uma pandemia. “É importante que o eleitor compareça com a sua máscara, que leve a sua caneta, se apresente ao presidente da mesa receptora observando o distanciamento na fila. Feita a identificação, ele irá à cabine, antes higienizando as mãos com o álcool em gel que estará disponível. Vota e depois higieniza novamente as mãos e poderá, então, retirar o comprovante de votação, se houver necessidade”, disse.

Segundo o corregedor, como a votação é eletrônica, a comprovação pode ser obtida depois no aplicativo e-título. “Temos hoje o sistema do e-título, um aplicativo que todos podem baixar na loja do celular, do smartfone. É grátis e depois [podem] obter ali a certidão de quitação eleitoral, o que vai levar à comprovação de que votou e participou desse momento importante da consolidação da democracia brasileira”, acrescentou.

Auditoria

Ainda neste sábado, o TRE do Rio sorteou as 15 urnas que, durante o período de votação, serão usadas na Auditoria de Votação Eletrônica, realizada pela primeira vez neste formato nas eleições de 2018. A intenção é que seja comprovada a coincidência entre os resultados obtidos nos boletins de urna, emitidos pelas urnas eletrônicas auditadas, e nos relatórios gerados pelo sistema informatizado de apoio à Auditoria de Votação Eletrônica, conforme as cédulas da auditoria e o registro digital dos votos apurados.

Todas as etapas do procedimento de auditoria são filmadas e acompanhadas por uma empresa de auditoria independente, contratada, por meio de licitação, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para fiscalizar os trabalhos de auditoria. Na auditoria para verificação da autenticidade e integridade dos sistemas realizada na Seção Eleitoral, a meta é verificar a autenticidade, que são as assinaturas digitais e a integridade, que são os resumos digitais dos softwares instalados nas urnas.

No procedimento é feita a auditoria para verificação do funcionamento das urnas eletrônicas sob condições normais de uso, antes chamada de votação paralela. O trabalho é realizado pela Comissão de Auditoria da Votação Eletrônica (Cave), composta por seis servidores da Justiça Eleitoral e presidida por um juiz de direito. Eles são previamente designados pelo presidente do TRE-RJ. Além disso, na própria seção eleitoral será feita a auditoria para verificação da autenticidade e integridade dos sistemas.“É uma das etapas importantes de todo esse processo de eleição e escolha dos nossos representantes”, disse o presidente do TRE-RJ, desembargador Cláudio Brandão de Oliveira.

*Com informações da Agência Brasil