Na quarta-feira, 11, a enfermeira britânica Lucy Letby foi presa por ter sido acusada do assassinato de oito recém-nascidos no Hospital Condessa de Chester, no noroeste da Inglaterra. A mulher também teria tentado matar outros dez bebês entre junho de 2015 e junho 2016, quando houve uma série de óbitos, por razões até então inexplicáveis, de recém-nascidos em seu local de trabalho. A profissional da saúde era suspeita de ter cometido os crimes desde 2018 e será julgada no Tribunal de Warrington nesta quinta-feira, 12. Os pais de todos os bebês que foram vítimas do caso estão recebendo informações oportunas e apoio psicológico.

Enquanto completava os seus estudos na Universidade de Chester, Lucy Letby entrou no Hospital Condessa como estagiária e permaneceu nesse cargo durante três anos. Depois, ela se especializou como enfermeira infantil e foi trabalhar na unidade neonatal, onde era responsável por bebês que exigiam diferentes níveis de cuidado. Em 2014, o número de mortes começou a aumentar na unidade e a Royal Medical College of Pediatricians and Child Health não conseguiu identificar uma causa para o fenômeno. Notou-se apenas que as mortes não eram registradas em crianças nascidas com 32 semanas de gestação ou mais. Por isso, desde o final de julho de 2016 o Hospital Condessa deixou de admitir bebes que nascessem antes disso. Segundo os registros oficiais, três recém-nascidos morreram em 2014, oito em 2015 e seis em 2016. Até o momento, Letby está sendo responsabilizada por oito desses óbitos.

*Com informações da EFE