As investigações em torno de um suposto crime eleitoral cometido por Flávio Bolsonaro na declaração de bens para as eleições de 2014 e 2016 vão continuar. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (11) pelo Conselho do Ministério Público Eleitoral. O Conselho se reuniu e negou o recurso que foi empedrado pelos advogados do filho do presidente da República. Eles queriam interromper o andamento das apurações. Flávio Bolsonaro rejeita a hipótese de crime eleitoral na declaração de bens para concorrer às eleições nas duas datas.

Agora, o promotor eleitoral vai ser designado para dar andamento a essa investigação. A defesa de Flávio Bolsonaro recebeu com naturalidade está decisão do Conselho do MP Eleitoral. Lembrando que, recentemente, Flávio foi denunciado pelo Ministério Público Estadual à Justiça fluminense no caso da rachadinha na Alerj. Ele é acusado de crimes como peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O MPF-RJ também investiga o senador, que teria, segundo denúncia feita pelo empresário Paulo Marinho, recebido de forma antecipada informações sobre a Operação Furna da Onça, da Lava Jato, no fim de 2018.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga