Estado completou nove dias de problemas na rede elétrica nesta quarta; abastecimento está em 80% da capacidade usual, diz ministério. Incêndio em subestação provocou blecaute. O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta-feira (11) a realização de uma auditoria para verificar possíveis irregularidades e omissões no apagão que atingiu o estado do Amapá.
O estado enfrenta uma crise energética desde o último dia 3, quando houve um incêndio na principal subestação do estado. Nos dias seguintes ao fogo, 9 em cada 10 moradores do Amapá ficaram sem eletricidade.
Passados nove dias, nesta quarta, a maior parte do estado ainda estava submetida a um regime de racionamento. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o fornecimento de energia chegou 80% da capacidade usual.
Amapá tem 5ª noite de protestos contra rodízio de energia; base da PM é depredada
Governo aumenta fornecimento de energia para 80% no Amapá
A proposta de auditoria foi apresentada pela ministra Ana Arraes. Segundo a ministra, a apuração se justifica “diante do quadro de incontáveis prejuízos e danos à população, além das possíveis irregularidades e omissões” que levaram ao apagão.
Durante a sessão, o presidente do TCU, José Múcio, destacou a ausência de um transformador de reserva. Um dos três transformadores da subestação, que deveria funcionar como backup, estava em manutenção desde dezembro de 2019.
“É como fazer uma viagem com pneu estepe vazio. Estamos vivendo o mundo do inacreditável, não acredito no que está acontecendo”, afirmou.
Aneel também apura
Na terça (10), o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, anunciou a abertura de uma investigação para apurar as causas do apagão.
Uma das questões a serem respondidas é se o problema foi provocado por alguma falha na manutenção ou operação da subestação que pegou fogo no dia 3 de novembro, causando o corte no fornecimento.
Initial plugin text