O petróleo dos Estados Unidos (WTI), por sua vez, avançou US$ 0,09, a US$ 41,45 o barril, depois de tocar a máxima de US$ 43,06. Navio Nabarima, da estatal venezuelana de petróleo PDVSA
Divulgação/Fishermen and Friends of the Sea – FFOS
O petróleo Brent, valor de referência global da commodity, atingiu uma máxima de mais de dois meses nesta quarta-feira (11), superando a marca de US$ 45 por barril, por expectativas de que uma vacina contra a Covid-19 possa impulsionar a demanda, embora preocupações com o aumento no número de casos da doença tenham feito com que a cotação perdesse força na sequência.
O Brent fechou em alta de US$ 0,19, ou 0,4%, a US$ 43,80 por barril, após alcançar uma máxima de US$ 45,30 na sessão — a primeira vez em que ultrapassa a marca de US$ 45 desde o início de setembro.
O petróleo dos Estados Unidos (WTI) avançou US$ 0,09, a US$ 41,45 o barril, depois de tocar máxima de US$ 43,06.
Tanto Brent quanto WTI acumulam altas de cerca de 11% nesta semana, após dados iniciais de testes mostrarem que a vacina experimental contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer e pela alemã BioNTech teve eficácia de 90%.
Apesar disso, preocupações com o aumento no número de casos de coronavírus ainda pressionam o mercado.
“O número recorde de casos é suficiente para fazer todo mundo voltar para a realidade”, disse Bob Yawger, diretor de Futuros de Energia do Mizuho.
A expectativa de que uma vacina possa restaurar a demanda por combustíveis no setor de transportes é crítica para o petróleo, acrescentou John Kilduff, sócio-fundador da Again Capital.