Estimativa se refere ao nível de produção econômica após a Covid-19 em comparação com o nível em que a economia global estaria se tivesse crescido a uma taxa média de antes da pandemia. A pandemia de coronavírus provavelmente criará um rombo de US$ 12 trilhões na produção econômica global até o final do ano que vem, um fardo muito alto para as seguradoras cobrirem, disse a Swiss Re nesta quarta-feira (11).
“No geral, a indústria de seguros lidou com isso bem porque entrou na crise com muito capital. Portanto, sabia sobre o risco”, disse o presidente-executivo da seguradora, Christian Mumenthaler, em uma conferência financeira da Bloomberg.
Muitos participantes do mercado fizeram hedge (compraram ‘proteção’) cedo, disse ele, imaginando que a doença respiratória Covid-19 se espalharia pelo mundo depois de ser identificada pela primeira vez em Wuhan, China, no final do ano passado.
Covid-19: Europa teme segunda onda e vê economia despencar
“E então a perda geral como vemos agora — entre US$ 50 bilhões e US$ 80 bilhões – é administrável para a indústria de seguros. Você compara isso a mais de US$ 140 bilhões gastos em 2017 em termos de perdas com desastres naturais”, disse.
“O que não funcionou bem é a compreensão do que está coberto. A pandemia, e isso é conhecido pelo setor de seguros, não é um risco que você possa cobrir. Acreditamos que a perda de produção para o mundo nesses dois anos será de US$ 12 trilhões. E o balanço patrimonial das seguradoras é uma pequena fração disso. Portanto, uma pandemia é um risco que não pode ser diversificado e, portanto, não pode ser segurado.”
Um porta-voz da Swiss Re disse que a estimativa de US$ 12 trilhões se refere ao nível de produção econômica após a Covid-19 em comparação com o nível em que a economia global estaria se tivesse crescido a uma taxa média de antes da pandemia.
Assista as últimas notícias de economia