Para analistas, discurso do presidente relembrou o mercado de quais são as preferências do governo: extensão dos auxílios no primeiro semestre de 2021. Jair Bolsonaro
Jornal Nacional
As incertezas sobre os rumos das contas públicas no Brasil voltam a sustentar a alta dos juros futuros nesta quarta-feira (11). O movimento acontece depois de declarações do presidente Jair Bolsonaro que elevaram a ansiedade sobre decisões que precisam ser tomadas nas próximas semanas sobre a política fiscal.
Ontem, o presidente demonstrou preocupação com impacto do fim do auxílio emergencial em parte da população. Embora o governante estivesse falando sobre o risco de novas medidas de distanciamento social devido à Covid-19, os comentários foram interpretados como uma preferência em estender o programa de socorro.
Bovespa fecha em alta pelo sexto pregão seguido
Com isso, as taxas dos contratos de DI operam em alta desde cedo, junto com desvalorização de moedas emergentes. Por volta das 12h30, o rendimento do DI para janeiro de 2025, por exemplo, subia de 6,50% para 6,63%.
Na avaliação de Pedro Dreux, sócio e gestor da Occam, o discurso do presidente ontem a tarde relembrou o mercado de quais são as preferências do governo: extensão dos auxílios no primeiro semestre de 2021. Houve contraste com o otimismo no cenário externo gerado pela vitória de Joe Biden nas eleições americanas e avanços com relação a vacina contra o novo coronavírus.
“O mercado estava dando o beneficio da dúvida durante essas semanas de silêncio do Bolsonaro, numa crença de que passadas as eleições regionais, a agenda de reformas voltaria a cena. Mas ontem a verdade veio a tona mais uma vez. A piora do mercado hoje é uma incorporação de uma maior probabilidade de medidas extra teto no ano que vem”, alerta o profissional.
De acordo com o estrategista Vinicius Alves, da Tullet Prebon, o presidente Jair Bolsonaro fez uma série de afirmações ontem que elevam a cautela no mercado. Para ele, houve falta de “elegância diplomática” e de preocupação com a agenda ESG, que é bastante importante no momento e vem sendo bem relevante para fluxos estrangeiros. Em termos econômicos, deu sinais da dificuldade de tirar o auxílio emergencial.
Ontem, o presidente disse, por exemplo, que “apenas diplomacia não dá. Depois que acabar a saliva tem que ter pólvora. Não precisa nem usar a pólvora, tem que saber que tem”. Os comentários foram feitos ao ironizar o presidente eleito nos EUA, Joe Biden, que ameaçou o Brasil com sanções por conta da devastação na Amazônia.
Repercutem mal as últimas declarações de Jair Bolsonaro
As falas de Bolsonaro e a preocupação dos investidores são registradas após uma série de alertas do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sobre os efeitos do descontrole fiscal.
Ontem, o ministro disse que “o Brasil pode ir para uma hiperinflação muito rápido, se não rolar a dívida satisfatoriamente”. Já o deputado disse, também ontem, que o Brasil vai explodir em janeiro se as matérias não forem votadas.
Em paralelo, os dados sobre a inflação também têm mantido uma certa cautela entre os investidores. A situação é o fator determinando para qualquer mudança na política monetária, mas os números têm sido acompanhados de perto.
VÍDEOS: Últimas notícias de Economia