Nesta quarta-feira (11), um ato de comemoração pelo aniversário do fim da Primeira Guerra Mundial foi alvo de um atentado com explosivos em Jidá, na Arábia Saudita. O evento, que acontecia em um cemitério, tinha a participação dos cônsules da França, da Itália e do Reino Unido, além de outras autoridades europeias. Segundo o jornal francês Le Figaro, quatro pessoas foram feridas, entre elas um cidadão da Grécia. O Ministério das Relações Exteriores da França condenou o ataque, que considerou “covarde”, e cobrou a identificação e a devida punição dos autores.

No dia 29 de outubro, o consulado francês em Jidá foi alvo de um ataque com faca. Um guarda foi ferido e o criminoso, que era um cidadão saudita, foi detido imediatamente. Desde o fim de setembro, a França sofreu três atentados em seu próprio território e vem sendo alvo de uma campanha muçulmana contra as medidas que o presidente Emmanuel Macron tem tomado contra o fundamentalismo islâmico. A política começou a ser adotada depois da decapitação de um professor que mostrou charges do profeta Maomé em sala de aula.

*Com informações da EFE