Soja e milho são destaques do levantamento. Produção de arroz e feijão deve cair. Brasil exportou US$ 7 bilhões a mais em soja para a China em 2018. No primeiro semestre deste ano, houve queda em comparação com o ano passado, mas produtores esperam aumentar as vendas com o acirramento da guerra comercial
Enrique Marcarian/Reuters
A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou nesta terça-feira (10) um novo levantamento para a safra de grãos que se iniciou neste segundo semestre e que termina na primeira metade de 2021.
A previsão é de mais uma produção recorde no país, chegando a 268,9 milhões de toneladas.
Preço de itens da salada do brasileiro dispara e alta deve permanecer
Um dos destaques é soja, principal item de exportação do país, que nunca esteve tão valorizado e disputado no mercado. E o Brasil deve continuar sendo o maior produtor mundial do grão, com estimativa de colher 135 milhões de toneladas.
O milho é outro destaque do levantamento divulgado pela Conab. A colheita das três safras do cereal deve alcançar 104,9 milhões de toneladas.
Arroz e feijão
No caso do feijão, há uma previsão de colher mais de 3,1 milhões de toneladas (-3,7%), enquanto a safra de arroz pode chegar a 10,96 milhões de toneladas (-2%).
Veja vídeos sobre a alta no preço dos alimentos: