Incêndio em subestação no dia 3 de novembro causou falta de energia que ainda não havia sido totalmente restabelecida nesta terça (10). Concessionária terá que prestar esclarecimentos. O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, anunciou nesta terça-feira (10) a abertura de uma investigação para apurar as causas do apagão no Amapá. Uma das questões que a fiscalização deve responder é se o problema foi causado por alguma falha na manutenção ou operação da subestação que pegou fogo no dia 3 de novembro, causando o corte no fornecimento.
Segundo Pepitone, a concessionária responsável pela operação da subestação, a Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE), será notificada para prestar os esclarecimentos necessários à investigação.
No domingo, a CEA, distribuidora que atua no estado, anunciou um rodízio no fornecimento e, no momento, 89% da população conta com energia de maneira racionada. Portanto, algumas localidades do Amapá continuam sem energia uma semana depois do início do apagão.
Apagão que atingiu cerca de 90% da população do Amapá completa uma semana
O Ministério de Minas e Energia prevê que o fornecimento será restabelecido e normalizado em todo o estado no próximo final de semana.
“Diante de um caso grave como o blecaute no Amapá no último dia 3 de novembro, em que as consequências perduram até hoje, é aberta fiscalização específica para apurar os incidentes”, informou Pepitone durante reunião semanal da diretoria da agência.
“Se for constatada falha no planejamento, na operação ou na manutenção, as penalidades vão de advertência até multa de 2% do faturamento da empresa”, completou ele.
Na segunda (9), a LMTE informou, por meio de nota, que apura as causas do fogo na subestação, iniciado durante uma tempestade com raios.
Transformador que sofreu incêndio em subestação do Amapá
Danilo Borralho/Rede Amazônica
De acordo com a empresa, a energia que atende a toda a área atingida pelo apagão passa por três transformadores que ficam juntos na subestação e que foram danificados pelo incêndio.
“Por consequência, o suprimento de energia do estado, que, por planejamento das entidades competentes, depende exclusivamente das instalações de transmissão da LMTE, acabou sendo temporariamente comprometido”, diz a nota.
Ação da agência
Pepitone afirmou que o país conta atualmente com 155 mil quilômetros de linhas de transmissão de energia e com 3.409 subestações. Segundo ele, a Aneel “não consegue verificar sozinha a rede do Rio Grande do Sul ao Amazonas.”
Devido à dificuldade na fiscalização, continuou o diretor-geral, a agência conta com informações que são repassadas anualmente pelas concessionárias do setor.
No momento, disse Pepitone, a Aneel está “100% comprometida a restabelecer o fornecimento” de energia no Amapá. Entretanto, ele afirmou que a agência vai apurar as responsabilidades pelo blecaute e “aplicar punições.”
“A agência atua para que as causas desse episódio sejam devidamente levantadas, analisadas e comprovadas, permitindo que medidas corretivas sejam implantadas. Mas também a agência vai apurar com todo o rigor as responsabilidades dos atores envolvidos”, disse.