Com o grito de “todos os votos contam, contem todos os votos“, centenas de pessoas se concentraram nesta quarta-feira (4) nas escadarias da Biblioteca Pública de Nova York, na Quinta Avenida de Manhattan, para denunciar as tentativas do presidente Donald Trump de frear a apuração das eleições em estados decisivos. Entre os leões que guardam as portas do edifício centenário, organizações trabalhistas, imigrantes e políticos se reuniram para mostrar rejeição ao pedido da equipe de Trump para que sejam recontados os votos no estado de Wisconsin e as ameaças de ir à justiça para interromper a contagem dos votos na Geórgia, em Michigan e na Pensilvânia.

“Estou aqui para me juntar a outros nova-iorquinos para garantir que os resultados destas eleições sejam protegidos e espero que hoje também possamos celebrar uma vitória e colocar o país de volta nos trilhos”, afirmou Jehuda Webster, organizador comunitário da ONG Judeus pela Justiça Econômica e Racial. Em ambiente festivo, junto com Webster e vários membros da organização, ativistas do RefuseFascism levaram cartazes denunciando que “a supremacia branca, a teocracia e o fascismo nunca estão legitimados” e pedindo as saídas do presidente e do vice-presidente Mike Pence. Um dos integrantes desta organização, Travis Morales, declarou que “a votação é muito importante, mas não suficiente”. “Precisamos estar nas ruas para exigir: ‘Trump and Pence fora, já’, porque este é um regime fascista que prende crianças em jaulas nas fronteiras e ataca violentamente os manifestantes do Black Lives Matter“, disse Morales.

*Com informações da EFE