O Congresso Nacional pode analisar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto que estendeu a desoneração da folha de pagamentos a 17 setores da economia na quarta-feira, 04. A expectativa é grande porque em caso de derrubada, como é a tendência, o governo prevê rombo de quase R$ 11 bilhões na arrecadação ao longo de 2021. Por outro lado, empresários, sindicatos e parlamentares afirmam que a manutenção do veto pode acabar com 6 milhões de vagas no mercado de trabalho apenas em 2021.

O governo até tentou encontrar alternativas para compensar o rombo. A ideia de criar um imposto sobre transações digitais, por exemplo, tinha como objetivo manter e até ampliar a desoneração.  No entanto, a proposta sequer foi apresentada ao parlamento. O presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre, já adiou a sessão mais de três vezes para que o governo tentasse entrar em acordo e conseguisse evitar o rombo sem nenhum tipo de compensação. Porém, agora, ele diz que a análise só não ocorrerá caso os parlamentares não estejam presentes e não consigam quórum para a votação. Essa é justamente a estratégia que será adotada, a base governista deve simplesmente não comparecer, o que já será suficiente para que o debate seja novamente adiado. De qualquer forma, Alcolumbre se reúne nesta terça-feira, 03, com lideranças para tentar fechar um acordo que possibilite que a sessão seja realizada na quarta-feira.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado