O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, negou que a paralisação das votações na Casa prejudique o seu mandato e afirmou que “quem explodirá é o governo” se a pauta não voltar a andar. A disputa pela presidência da Comissão Mista de Orçamento, reivindicada pelo Centrão, a proximidade das eleições municipais e a antecipação das discussões sobre a sucessão no comando na Câmara têm impedido o avanço das matérias. Faltam menos de oito semanas para o início oficial das férias dos congressistas, a partir de 23 de dezembro e as pautas estão travadas.

Rodrigo Maia afirma que a situação está desorganizada. Para ele o ministro da economia, Paulo Guedes, está isolado na defesa do teto de gastos. E se diz mais pessimista por não ver com clareza como o governo tratará a crise econômica e fiscal. O presidente da Câmara assegura que não haverá prorrogação do Orçamento de Guerra, nem do estado de calamidade pública, declarado em função da pandemia da Covid-19. Rodrigo Maia, que participou de uma live do Jornal Valor Econômico, quer votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) no máximo no início de dezembro.

*Com informações do repórter Daniel Lian