O resultado das eleições presidenciais da Bolívia, realizadas neste domingo, 18, pode levar dias para ser divulgado, depois que o Tribunal Superior Eleitoral do país decidiu eliminar o sistema de apuração preliminar e manter apenas a contagem individual. Na eleição de 2019, foi justamente a adoção dos dois sistemas paralelos que causou confusão, quando números do sistema de Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares começaram a diferir da contagem individual de votos. Apesar de criticar a medida, Luis Arce, que aparecia em primeiro nas pesquisas de intenção de voto, pediu calma e disse que aguardará “de maneira pacífica e respeitosa” o resultado final. Após votar, Arce ressaltou que seu partido, o Movimento ao Socialismo, já havia feito ressalvas sobre a contagem rápida.

Seu principal adversário, o ex-presidente Carlos Mesa, também “lamentou” a decisão do Tribunal Superior Eleitoral, mas disse entendê-la. No sábado, 17, o ex-presidente Evo Morales criticou o adiamento da divulgação dos resultados preliminares, mas foi mais cauteloso neste domingo. A presidente interina, Jeanine Anez, também pediu para que os cidadãos evitem a violência enquanto aguardam os resultados. Ao todo, cerca de 7,3 milhões de bolivianos voltaram às urnas. O governo interino da Bolívia informou que as eleições presidenciais ocorreram em clima de tranquilidade, exceto por pequenos incidentes, em um dia em que se temiam tumultos. Medidas para evitar a disseminação do coronavírus, como manter distância entre os eleitores, retardaram o processo de votação, geraram longas filas e uma espera de mais de duas horas para entrar em algumas seções eleitorais.

*Com informações da repórter Letícia Santini