Organizações da Espanha auxiliarão a Síria a reparar quatro monumentos na cidade Raqqa que foram da danificados pelo Estado Islâmico (EI): as muralhas da cidade, o palácio de Qsar al-Banat, a grande Mesquita de Al-Mansur e a Mesquita Al-Hamidi. Nessa colaboração, o Instituto Milá y Fontanals e o Conselho Superior de Investigações Científicas, ambos espanhóis, supervisionarão de maneira remota as intervenções que estarão sendo feitas na prática por organizações locais sírias. Segundo os cientistas por trás do projeto, essa foi a maneira encontrada para assegurar “uma ação eficaz e segura” e permitir a “formação de profissionais locais”.

Entre junho de 2014 e março de 2019, várias cidades entre a Síria e o Iraque foram ocupadas pelo EI e tiveram o seu patrimônio cultural danificado por combates e bombardeios. Raqqa, que se encontra atualmente em ruínas, foi especialmente castigadas por ter sido a primeira grande cidade síria a ser controlada pelos extremistas e palco de uma batalha de cinco meses de duração entre as Forças Democráticas Sírias e o Estado Islâmico. Na ocasião, milhares de civis foram mortos.

*Com informações da EFE