Olhos fechados, respiração lenta e concentração. O mindfulness, um tipo de meditação que ajuda a reduzir o estresse e a ansiedade, vem ganhando cada vez mais adeptos — principalmente nas escolas. Em uma instituição privada na zona norte de São Paulo, a prática já vem sendo realizada há mais de um ano através de uma ferramenta educativa que aposta no autoconhecimento para promover o foco e o equilíbrio, a Mindkids. A idealizadora da iniciativa, Daniela Degani, ressalta que a metodologia é diferente para cada faixa etária. “Com os pequenos a pratica é muito ludica, breve. Quase como uma brincadeira de prestar atenção. Para os maiores esse lúdico da lugar para o interessante, relevante. Fazer com que os nosso alunos percebam que a prática pode ser útil para eles.”

Mas foi durante a quarentena que a importância da meditação se intensificou. A professora do 6º ano Raquel Davison ressalta que a prática do mindfulness também precisou ser adaptada ao ensino remoto. “É difícil já manter o foco em sala de aula, imagina atrás de uma tela.” A professora do 5º ano Paula Capaz Borges destaca que os benefícios da prática não são só para os alunos, mas também para os professores. “Eu estava com muitas emoções a flor da pele e a meditação me fez refletir sobre como eu estava sentindo e como lidar. São uns segundos antes de falar alguma coisa, a forma como vamos falar. Mas aceitar o que está sentindo.”

A meditação dentro do ambiente escolar já é uma realidade em vários países, como Estados Unidos e Inglaterra. Aqui no Brasil, o Mindkids está presente em unidades da rede pública e privada de sete estados. Segundo a fundadora da iniciativa, Daniela Degani, a ideia é que cada vez mais escolas de todo o país adotem esse tipo de prática. “Através das práticas nas escolas temos a oportunidade de ensinar desde muito cedo. Já estamos falando de 250 educadores se formando em mindfulness em sala de aula.” Daniela Degani ressalta que o Mindkids usa a metodologia de um programa de meditação desenvolvido por americanos que já impactou positivamente mais de 1 milhão de estudantes no mundo inteiro.

*Com informações da repórter Letícia Santini