Corinthians terá economia grande com troca de Carille por Tiago

Se Fluminense ou Botafogo caírem, volta à Série A será dramática

Fuso faz canal de TV aberta abrir mão de Olimpíada de Tóquio-2020

Fla e River já se enfrentaram em Lima e partida terminou com vitória carioca

Homem de confiança de Itair tem trabalho bem avaliado e segue na base do Cruzeiro

Modesto explicou que irá até a última instância para reverter essa deliberação e alega que o julgamento foi político e não técnico. Roma afirma que a CIS não permitiu que ele exercesse seu direito constitucional de plena defesa.

“Ainda não tomei conhecimento oficial nem do relatório e nem dessa deliberação do conselho, a não ser pela imprensa, recebi de forma tranquila e com muita serenidade o ocorrido”, disse ao blog. “Importante saberem que fui alijado do processo todo o tempo, não me permitiram exercer meu direito de defesa, não ouviram testemunhas que indiquei, não levaram em consideração argumentos e documentos que enviei e pedi para serem examinados.”

Segundo o ex-presidente, ele entende ter sido vítima de um julgamento conduzido de forma política. “Foi um processo político e que dever ser revisto pelo Judiciário, como já aconteceu algumas vezes no clube, inclusive recentemente”.

Questionado se irá buscar a reparação da decisão na Justiça comum, Modesto foi enfático: “Evidente que sim; Quando acabarem os trâmites internos do clube, se essa punição se mantiver, é o caminho natural; Gostaria que isso fosse discutido em uma instância imparcial e independente, mas o caso é da esfera judicial”.

Apesar do processo se referir o das contas de 2017, o que norteia o parecer da CIS é o caso da intermediação dos valores pagos pelo PSG ao Santos quando o clube francês comprou Neymar do Barcelona. “As pessoas ainda não entenderam que isso não foi um pagamento de cláusula de solidariedade da FIFA. A maior prova é que quem paga a cláusula de solidariedade é o clube que recebe o dinheiro, no caso, se fosse, seria o Barcelona e não o PSG; Mas as pessoas preferem confundir do que explicar”, lamentou.

Em 2015, o plenário expulsou do clube o ex-presidente Odílio Rodrigues, seu vice Claudio Aquino e todos os membros do Comitê de Gestão e a Justiça determinou seu retorno. 

A gestão de Luiz Álvaro de Oliveira Ribeiro e o conselho da época reprovou também contas de 1999 de Marcelo Teixeira e não honrou acordos bancários feitos pelo ex-presidente que teve suas contas pessoais, que eram garantias das operações, prejudicadas. Teixeira ganhou o caso na Justiça, recebeu o que o Santos lhe devia e só não recebeu juros e nem indenização porque não quis exercer o direito.

https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/3010127/apelacao-com-revisao-cr-2546564600-sp/inteiro-teor-101223713.) O valor foi de cerca de R$ 380 mil pagos em parcelas na gestão Luiz Álvaro de Oliveira Ribeiro.” data-reactid=”39″>Samir Abdul-Hak,  também teve contas rejeitadas em 1999, teve punição dada pelo Conselho e obteve na Justiça inclusive a ressarcimento pecuniário por perdas e danos em 2008 conforme o site JusBrasil (https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/3010127/apelacao-com-revisao-cr-2546564600-sp/inteiro-teor-101223713.) O valor foi de cerca de R$ 380 mil pagos em parcelas na gestão Luiz Álvaro de Oliveira Ribeiro.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter” data-reactid=”41″>Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui